Na última sexta-feira (26) foi divulgado pelo Ministério do Trabalho os dados do mês de dezembro de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) que apontam o fechamento de 328.539 vagas de emprego formal no Brasil. Com os dados de dezembro o Brasil encerrou o ano de 2017 com fechamento líquido de 20.832 vagas.

A nível estadual o Maranhão registrou 987 demissões líquidas em dezembro de 2017 e no acumulado do ano obteve um saldo positivo de 1,2 mil contratações líquidas. Já no recorte setorial, quatro setores apresentaram desempenho positivo, com destaque para Serviços (+3,6 mil) e a Construção Civil (+845). Em contrapartida, o setor que mais fechou emprego formal foi a Indústria de Transformação (-2,1 mil).

A Nota Mensal de Mercado de Trabalho divulgada pelo IMESC nesta segunda-feira (29), referente ao mês de dezembro de 2017, mostra que o Maranhão apesar de ter registrado 987 demissões líquidas, seguindo a sazonalidade do período, obteve o melhor desempenho para o mês de dezembro dos últimos 21 anos, quando foram eliminadas 970 vagas em dezembro de 1995.

Em comparação com a média da Região Nordeste e com o Pará, estado com grandes similaridades com o Maranhão, a partir do ano de 2015 passamos a apresentar melhor desempenho no mercado de emprego formal.

Gráfico 01

Quando comparamos o desempenho do Maranhão, frente aos demais estados, observamos uma trajetória ascendente passando da 24º posição no ano de 2014 para a 10º posição no ano de 2017.

Gráfico 02

Esse resultado demonstra o sucesso da parceria entre o Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Estado do Maranhão (SINDUSCON-MA) e o Governo Estadual que conseguiram fazer da Construção Civil, que foi a maior responsável pelo saldo negativo do emprego formal em 2016 com 12.177 demissões líquidas, o principal vetor da recuperação e representou 70% do saldo positivo do Maranhão.

Frednan Bezerra dos Santos

Prof. Mestre em Desenvolvimento Socioeconômico

Presidente do CORECON-MA